• Carlos Guglielmeli

Marcelo Odebrecht diz que Lula e Dilma sabiam dos pagamentos de propina


Marcelo Odebrecht diz que Lula e Dilma sabiam dos pagamentos de propina

O depoimento do empresário Marcelo Odebrecht foi revelado pelo Site “Antagonista” nesta quinta-feira (23/03).

No âmbito do da ação que apura o suposto abuso de poder político e econômico da chapa Dilma / Temer no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o executivo disse que 80% dos recursos do Departamento de Obras Estruturadas, mais conhecido como departamento de propinas, em 2014 foi para a campanha presidencial.

Segundo o delator, a empresa teve uma relação intensa com os governos Lula e Dilma, o que gerou expectativa nas doações. Em 2014, segundo Odebrecht, foram disponibilizados R$ 150 Milhões para a campanha de Dilma, dos quais R$ 50 Milhões foram definidos como contrapartida da MP (Medida Provisória) 470, um “refis” que beneficiou a construtora em meio a crise de 2009.

O empreiteiro disse que os primeiros R$ 50 Milhões haviam sido solicitados pelo ex-ministro de Lula, Guido Mantega, para a eleição de 2010, mas que Guido acabou não se envolvendo na campanha e deixou o recurso para 2014.

No depoimento também consta que Palocci quem fazia a maior parte dos pedidos de dinheiro e que Mantega assumiu esse papel definitiva apenas em 2011. Nas linhas o empreiteiro disse que mais de R$ 300 Milhões foram colocados a disposição do PT e retirados pelo mesmo.

Sobre esses valores, foi entregue uma planilha de controle dos fundos em propinas direcionados ao PT, nela o codinome “Amigo”, que Marcelo ratificou se tratar de Lula, tinha um saldo de R$ 15 Milhões e foi regredindo, segundo ele, a partir do momento que os valores eram gastos com o ex-presidente. A MP 470 seria a comprovação dessa relação promiscua.

Sobre a campanha de 2010, Marcelo Odebrecht disse que todos os pedidos de doações foram feitos por Lula e Palocci e que Dilma não se envolveu nessa, mas sobre a de 2014 a afirmação foi de que a ex-presidente sabia de tudo e participou diretamente da distribuição dos recursos, por meio de João Santana, Palocci e Edinho.

Questionado se a “reserva de propinas” administrada inicialmente por Palocci e depois por Mantega era para o PT, Odebrecht disse que era para a presidência.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3