• Carlos Guglielmeli

Gravações, no mínimo embaraçosas, atingem Temer e Aécio Neves


Gravações, no mínimo embaraçosas, atingem Temer e Aécio Neves

Investigados pela Operação Bullish da Polícia Federal, desdobramento da Lava Jato deflagrada na segunda-feira, 15/05, os donos da JBS se apresentaram, ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin.

No STF, os irmãos Joesley e Weslwy Batista, donos do Grupo JBF e mais cinco executivos da empresa, confirmaram ao ministro Fachin que estão prestando informações à PGR (Procuradoria Geral da República) em acordo de Delação Premiada e que o fizeram por livre e espontânea vontade.

Até por volta das 19 horas os procedimentos eram vistos como normais, como consequência da Operação Bullish, porém a partir dai o Brasil tomou conhecimento da mais nova e talvez maior “bomba do mundo político” junto da delação da Odebrecht.

O Jornal O Globo divulgou em seu Site partes da delação dos executivos da JBS, nela constam transcrições de gravações comprometedoras contra o presidente Temer (PMDB), alguns políticos de sua confiança e contra o senador Aécio Neves (PSDB).

Contra Temer , uma gravação feita por Joesley mostra o presidente, supostamente, pedindo para o empresário continuar pagando propina mensal ao ex deputado preso pela Lava Jato, Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro, em outra oportunidade, indicando o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla as empresas JBF), o qual foi filmado pela polícia recebendo R$ 500 Mil em notas marcadas pelas séries e de maneira suspeita.

Contra Aécio Neves, os executivos entregaram gravações do senador pedindo R$ 2 Milhões a Joesley Batista, segundo ele, para pagar sua defesa no processo da Lava Jato, em seguida a polícia gravou a entrega do dinheiro para um primo do senador. O dinheiro foi rastreado pelos números de série, o que constatou terem sido depositados em uma conta corrente do senador Zeze Parrella (PSDB-MG).

O nome de Guido Mantega também foi mencionado por Joesley, segundo ele o ex-ministro controlava o dinheiro de propina do PT e era ele quem o distribuía à bancada.

Essa é a primeira vez que a lava jato executou operações, sete ao todo, controladas, nas quais onde são obtidas provas em flagrante.

As revelações de hoje ainda devem ser complementadas, pois o que vazou é parte apenas de duas entre sete operações.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3