• Carlos Guglielmeli

Delação de Marcos Valério é o novo “terremoto” no meio político


Depois de tentativas de acordos frustradas com a PGR (Procuradoria Geral da República) e o MP MG (Ministério Público de Minas Gerais), o publicitário Marcos Valério, um dos protagonistas e condenado no caso Mensalão do PT, fechou um acordo de delação premiada com a PF (Polícia Federal) no âmbito do processo conhecido como mensalão mineiro.

O inquérito em que o publicitário é réu e pretende colaborar com a justiça em troca de benefícios na pena, investiga supostos desvios de dinheiro da Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais e da Comig (Companhia Mineradora de Minas Gerais), que teriam abastecido a campanha à reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo do estado em 1999.

Vazamentos do acordo indicam que as revelações feitas por Valério vão atingir novamente o ex-presidente Lula e os peessedebistas Aécio Neves, Fernando Henrique Cardoso e José Serra.

Em uma parte de suas narrativas, Marcos Valério delatou um esquema de empréstimos fraudulentos com o Banco Rural, que no fim deveriam ser pagos por empreiteiras a título de propina, e o repasse da Usiminhas de R$ 1 Milhão, via caixa dois, também beneficiou as campanhas de Lula, Aécio Neves e José Serra em 2002 e de Fernando Henrique em 1998.

Informações da PF dizem que os 60 anexos oferecidos por Valério já estão no STF (Supremo Tribunal Federal) para homologação, pois o mesmo atinge pessoas com foro privilegiado, porém a Suprema Corte Brasileira não confirma essa informação.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3