• Carlos Guglielmeli

PSDB elege Geraldo Alckmin presidente nacional da legenda


O governador de São Paulo Geraldo Alckmin foi eleito presidente do PSDB em uma tentativa de unificar o partido rachado entre governistas e não governistas, entre os que defenderam a proteção dada ao agora ex-presidente Aécio Neves e os que entendiam o tamanho do prejuízo partidário que isso causava.

Durante a Convenção Nacional do partido realizada neste sábado, 10/12, a chapa de Alckmin recebeu 470 votos a favor, um deles o da Deputada valparaisense e delegada partidária Leda Borges, e 3 contra. O governador de Goiás Marconi Perillo assumiu a primeira vice-presidência do partido e o Deputado Ricardo Tripoli de São Paulo, líder da bancada peessedebista na Câmara, foi eleito para a segunda vice-presidência.

A eleição de Alckmin foi, como de tradição no partido, combinada antes do evento nacional e evitou a disputa entre Tasso Jereissati (CE) e Marconi Perillo (GO). Ambos pré-candidatos que se retiraram da disputa em favor do paulista.

Alckmin é o quatro a presidir o PSDB este ano. O primeiro foi o senador Aécio Neves que já vinha presidente do ano anterior e se licenciou depois de ter sido pego em uma gravações pedindo R$ 2 milhões ao dono da JBS, Joesley Batista, interinamente em seu lugar assumiu Jereissat, que ao decidir concorrer à presidência definitiva deu lugar a Alberto Goldman.

Aécio Neves, que chegou a ser vaiado por parte da dos tucanos ao chegas ao evento, teve uma participação discreta na convenção.

Uma decisão importante que o meio político esperava dessa convenção era a confirmação do “desembarque” peessedebista do governo Temer, sinalizada a algumas semanas entre outras coisas pelas renuncias dos ex-ministros Bruno Araújo do Ministério das Cidades e recentemente do Ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, porém esse anúncio foi adiado novamente.

No comando do PSDB Alckmin passa a ter uma agenda nacional, podendo fazer política em todo o Brasil sem ser criticado como foi o prefeito da capital paulista João Dória. Isso impulsiona sua pretensa candidatura à presidência em 2018.

Questionado sobre esse assunto, Alckimin respondeu que “essa vai ser uma decisão que o partido vai tomar em um outro momento”, mas completa dando uma dica a bons entendedores que sua candidatura ao planalto está nos planos “Vamos trabalhar o Brasil inteiro, pretendo, a partir de janeiro, percorrer o Brasil, estar mais perto das pessoas, ouvir o sentimento delas”.


Publicidade

1/3
Roleta Russa 2.png
Precisa explicar?