• Carlos Guglielmeli

Falta de energia. Quais os direitos do consumidor afetado pela falta de energia?


O Valparaíso e entorno têm sofrido com as constantes interrupções no fornecimento de energia por períodos prolongados, apagões que normalmente acontecem nos fins de semana, justamente quando a maioria das famílias estão em suas residências.

Se o consumidor falha na sua obrigação, que é a de pagar conta, ele é punido com o "corte de luz", mas e as companhias elétricas, existe algum tipo de compensação ao consumidor e ou punição contra elas quando falham na prestação dos serviços para o qual são destinadas?

Teoricamente sim, mas na prática a compensação aos consumidores é irrisória perto do transtorno que um dia inteiro sem energia pode causar.

Desde 2010 a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) estabelece que, após ultrapassar o limite máximo de horas para interrupção no fornecimento de energia, que varia para cada município, a empresa energética é obrigada o consumidor diretamente. O cliente é ressarcido através de um desconto na fatura, proporcional a apenas o tempo em que ficou sem energia além do tempo limite.

A partir de quanto tempo sem energia o consumidor deve ser compensado?

Esse limite aceito para o desabastecimento de energia varia para cada área, inclusive num mesmo município isso pode variar, mas a média nacional é de quatro horas mensais.

E o valor dessa compensação vale a pena para o consumidor e educa as empresas energéticas?

Não para as duas preguntas, essa compensação leva em consideração apenas o tempo que excedeu ao limite máximo aceito para a interrupção.

Vamos exemplificar pelo domingo recente no qual Valparaíso ficou sem energia das 11h00 às 18h30, aproximadamente. Foram 07 horas e meia de interrupção no fornecimento e supondo que o limite máximo aceito seja a média nacional de 04 horas, o excedente passivo de ressarcimento foi de 03 horas e meia.

Esse excedente deve ser multiplicado por 15, que é o fator de compensação determinado para o consumidor residencial, e depois multiplicado novamente, dessa vez pelo valor equivalente à distribuição por hora de consumo apurada na conta.

O resultado é muito menos animador do que parece. Numa conta de R$ 200,00, onde o custo da distribuição seja R$ 60,00, para saber em quanto o consumidor será ressarcido primeiro precisamos chegar ao valor hora/distribuição, para isso divide-se o valor acima pelo número de horas do mês que é de 720h (60/720=R$ 0,08333). Ao chegar nesse valor, o mesmo deve ser multiplicado pelo número de horas excedentes ao permitido, no caso 4,5 horas e depois multiplicar pelo fator de compensação 15, (0,08333 X 3,5 X 15 = R$ 4,374825).

Resumindo, para quem receber a fatura da CELG no valor de R$ 200,00 neste mês, a sua compensação por ter passado o domingo inteiro sem energia é de aproximadamente R$ 4,37 a ser descontado em até três meses, direto nas contas subsequentes.

Isso tudo porque o Código de Defesa do Consumidor define os serviços de energia como um bem essencial à vida humana.

Num setor onde não há para onde correr, por falta de concorrência que obrigue a empresa a buscar padrões de qualidade, tanto faz como tanto fez para elas se o cliente está ou não satisfeito. Para que investir, ou melhor, para que gastar?


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3