• Carlos Guglielmeli / Foto: Linice Moreira

Sindicado volta a lotar sessão da Câmara Municipal em busca de aumento acima do que determina a Lei


Sindicado volta a lotar sessão da Câmara Municipal em busca de aumento acima do que determina a Lei

A exemplo da sessão de quarta-feira, o SINDISEPEM/VAL (Sindicato dos Servidores Públicos e Empresas Públicas Municipais de Valparaíso de Goiás) fez lotar a Câmara Municipal de Valparaíso nesta sexta-feira, 23/03. Eles buscam uma correção salarial superior à que propõe o governo municipal.

Os PL's (Projetos de Lei) 063 e 064 enviados pela prefeitura para aprovação na câmara estabelece o índice de revisão salarial dos servidores em 1,81% para 2018.

Essa porcentagem corresponde ao INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) dos últimos 12 meses (março/2017 à fevereiro/2018) e obedece a Lei 819 de 2009 que regulamenta a revisão salarial dos servidores e agentes públicos de Valparaíso de Goiás.

O sindicato estendeu uma faixa no plenário pedindo 8,88% de reajuste, segundo uma professora, membro da categoria, “um valor fora da realidade da maioria dos trabalhadores brasileiros que hoje estão sendo cautelosos sobre esse assunto, para manter empregos e salários em dia”.

Uma fonte da prefeitura, disse que “a proposta do governo está amparada na Lei, cumpre exatamente o que ela determina e é responsável com o equilíbrio financeiro da cidade e evita prejuízos futuros como a paralisação de serviços públicos e a incapacidade de honrar compromissos como o pagamentos dos servidores em dia”.

Em uma de suas falas o vereador Zeca ressaltou “que o governo está sendo responsável, inclusive para ter condições de pagar o dissídio de 2016 de 11% não honrado pela ex-prefeita, quando a justiça determinar” e completou relembrando que à época desse reajuste, o SINDSEPEM/VAL se absteve de lutar pela categoria para não ficar contra o governo do PT.

Na mesma toada o vereador Flávio Lopes disse que “em 2016 os servidores tiveram que fazer uma vaquinha de R$ 100,00 cada, para pagar o advogado e requerer o aumento de 11% (INPC apurado naquele período) na justiça, algo pelo qual o sindicato não se pronunciou até hoje” dando a entender que a luta dos representantes de classe hoje não é pela categoria, mas sim política, contra o governo de partido que consideram rival.

Surfando nas suas origens sindicais, o vereador Prof. Silvano aproveita o momento para se colocar em evidência. Mais experiente que em outros momentos, o vereador do PT agora usa um tom conciliador, mas sempre finalizando suas intervenções com ameaças veladas de que a categoria está pronta para deflagrar um movimento de greve.

A comissão de Constituição e Justiça já fez a leitura do seu parecer aprovando os PL´s e as outras comissões devem fazer o mesmo na próxima segunda-feira, 26/03, em seção extraordinária. Dessa forma trâmite legislativo sobre o tema pode ser finalizado na mesma semana, em três votações, duas em sessões ordinárias e outra em mais uma extraordinária.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3