• Carlos Guglielmeli / Foto: Linice Moreira

Execução do PAC Anhanguera tem seu principal ato administrativo até aqui


Execução do PAC Anhanguera tem seu principal ato administrativo até aqui

Valparaíso recebe hoje, terça-feira 27/03, o Ministro das Cidades Alexandre Baldy para a assinatura do convênio de R$ 1,3 Milhões para a execução do Projeto Executivo de Saneamento integrado do Complexo Anhanguera.

Marcado para as 16h30 na Faculdade FACESA, este é um ato administrativo aberto à comunidade, para que ela participe como testemunha e acompanhe o andamento desse assunto que tomou conta da cidade.

Os problemas causados pela falta de Infraestrutura no Anhanguera são tão graves, que já estão refletindo em outras regiões, a exemplo do ocorrido em 20 de março recente quando uma forte chuva carregou todo o material da terraplanagem que estava sendo feita de maneira paliativa ali, para a pista principal do Valparaíso II, interrompendo por quase uma hora o acesso à parte final do bairro e ao Pacaembu.

Este convênio ainda não corresponde aos R$ 116 Milhões completo, mas é o passo inicial, determinante para a sua liberação imediata.

As obras do PAC Anhanguera estão previstas para durar 4 anos e a população ainda terá que conviver com ruas cortadas por tratores, e até interditadas, mas segundo o moradora Maria de Fátima, “será um outro fardo, mas um fardo por uma boa causa, por esses dificuldades ninguém deve reclamar não

Histórico:

O bairro Anhanguera, setores A, B e C, foi criado entre 2006 e 2008, começou com o fracionamento de uma chácara em lotes residenciais e depois em uma série de condomínios que tornaram a região, ainda sem preparo, densa demograficamente.

Quando assumiu a gestão da cidade, a então prefeita Leda Borges ainda conseguiu paralisar as obras no bairro por seis meses, porém os condomínios já haviam sido criados e observando a oportunidade, antes de finalizar seu mandato em 2012, protocolou junto ao Ministério das Cidades a intenção do PAC Anhanguera.

Somente em 2014, com dois anos de atraso, a ex-prefeita Lucimar encaminhou o projeto definitivo para o Ministério e não conseguiu executar o convênio de R$ 2 Milhões para a elaboração do projeto executivo, o que está sendo feito agora.

Em 2017, após terem assumido a administração da cidade, o Prefeito Pábio Mossoró e os vereadores da base, Alceu, Ferreira, Zeca, Elenir, Brandão, Maria Neide, Flávio Lopes, Zé Antônio, Paulo Baiano (suplente) e Maria do Monte iniciaram uma peregrinação no Ministério das Cidades, à época comandado por Bruno Araújo (PSDB).

Neste momento foram constatadas as inconformidades no projeto de 2014 que demandou uma readequação de praticamente 100% da intenção, por isso somente em 29 de dezembro de 2017 as correções foram definitivamente entregues, agora para o ministro goiano que assumiu a pasta em 22 de novembro, Alexandre Baldy.

Com as correções feitas, ficou melhor demarcado o que era parte integrante do projeto, foi onde a deputada Leda Borges entrou no processo com mais afinco e envolveu o governador Marconi Perillo, que por sua vez determinou à Saneago a elaboração e execução do projeto da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto), nesse momento bem definida como contrapartida.

Alinhado com o governador Marconi Perillo, trazido ao processo pela deputada Leda Borges, e com o prefeito Pábio Mossoró, o ministro Baldy acelerou os trâmites para que esse momento fosse possível antes do prazo limite, 07 de abril, dele deixar o ministério e ser candidato nas eleições de 2018.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3