• Carlos Guglielmeli / Imagem: reprodução

Ministro Dias Toffoli propõe o fim do foro privilegiado como estava para todas as autoridades


O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, propôs nesta quarta-feira, 09/05, a edição de duas súmulas vinculantes (norma expressa em um enunciado breve que obriga todo o Judiciário a seguir o entendimento em seus julgamentos) que pretende expandir para todas as autoridades das três esferas de poder, o alcance da decisão do plenário da Corte que restringiu o foro privilegiado para deputados e senadores.

Na semana passada, o plenário da Suprema Corte adotou uma interpretação mais restritiva da Constituição no que diz respeito ao foro de parlamentares federais, decidindo que só devem tramitar no STF processos relativos a delitos cometidos durante e em razão do mandato. Após essa a decisão, ao menos 44 processos travados na corte já foram remetidos para instâncias inferiores

Segundo o ministro, “a medida é necessária para garantir segurança jurídica e eliminar controvérsias nas diversas instâncias sobre o foro”.

Toffoli destacou que existem hoje cerca de 55 mil autoridades com alguma prerrogativa de foro especial no Brasil, dos quais 38.431 previstos na Constituição Federal e 16.559 previstos em constituições estaduais.

Nesse contexto, avulta a necessidade, sob pena de grave insegurança jurídica, de se regular de forma vinculante a prerrogativa de foro não apenas para os membros do Congresso Nacional, como também para todos os detentores dessa prerrogativa que integrem o Poder Legislativo nas esferas estadual, distrital e municipal, bem como os Poderes Executivos e Judiciário”, argumenta Toffoli.

Na primeira súmula, o ministro propôs que o entendimento aplicado a deputados e senadores seja estendido a todas as autoridades com foro privilegiado previsto na Constituição, na outra ele quer que as normas estaduais que garantem foro a outras autoridades sejam consideradas inconstitucionais.

Para aprovar uma súmula vinculante, o texto deve ser avaliado primeiro pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que em seguida o remete para a manifestação da PGR (Procuradoria Geral da República). Depois disso uma Comissão de Jurisprudência, composta por parte dos ministros do Supremo também avalia a adequação da proposta e somente após essas etapas a proposta segue para votação, precisando do referendo de ao menos 8 dos 11 ministros.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3