• Carlos Guglielmeli

Caminhoneiros acampados na BR040, entre Luziânia e Valparaíso, demonstram uma verdade do movimento d


Caminhoneiros acampados na BR040, entre Luziânia e Valparaíso, demonstram uma verdade do movimento diferente da exibida na grande mídia

O governo e a grande mídia estão entregando uma imagem da greve dos caminhoneiros distante da realidade, ao menos conforme o comportamento do movimento na BR040, entre Luziânia e Valparaíso.

A suspeita de que empresários do setor de transporte estariam cometendo o crime de Locaute, ou seja, promovendo e sustentando a greve e a ideia de que os caminhoneiros estariam fazendo bloqueios totais das rodovias é veementemente negada pelos motoristas.

Conhecido como Macgyver, o caminhoneiro Antônio Carlos avalia esse manifesto da categoria como “o maior movimento autônomo e pacífico capaz de mudar o país já realizado em todos os tempos”.

Segundo o motorista Márcio Reges, um dos líderes do acampamento na BR040 entre Luziânia e Valparaíso, “o governo mandou o exército para desobstruir a rodovia que nunca foi obstruída”, prova disso, de que os veículos circulam livremente, é uma faixa em que o movimento pede aos motoristas “passantes” que buzinem em apoio ao movimento e as buzinas não param.

Sobre a participação dos empresários no movimento de greve, Márcio disse que, “não há grandes empresários no movimento, na realidade o que acontece é que as empresas não estão se opondo à greve, pois o que aflige os autônomos está afligindo as pequenas, as grandes empresas e toda a população em geral” e completou, “estamos Lutando por um problema que é de todo mundo”.

Perto de Valparaíso os caminhoneiros passam frio e algumas necessidades, como a falta de banheiros e locais para a dormida, mas a fome e a sede não acontecem devido a solidariedade dos moradores que chegam com donativos a todo instante.

“A independência do Movimento Grevista é uma preocupação de quem realmente fez a paralisação”, disse o motorista Marcus André de Petrolina/PE que completou, “não temos sindicato, nosso sindicato é o povo brasileiro, também não vamos aceitar baderneiros conosco nem políticos. A intervenção militar não é pauta dos caminhoneiros, nem o apoio a nenhum político, só queremos melhores condições para continuar trabalhando”.

A Polícia Militar atualizou esta manhã que em Goiás há 30 pontos de concentração dos grevistas, dois deles na Região Metropolitana de Goiânia, próximo a Aparecida e em todos os caminhoneiros estão atendendo as determinações da PRF (Polícia Rodoviária Federal).


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

1/3