• Carlos Guglielmeli

Casos de Sarampo aumentam no mundo todo e em Valparaíso as providencias estão sendo tomadas


Após uma queda nos casos registrados no mundo inteiro em 2016, as confirmações de casos de Sarampo e Poliomielite aumentaram em 2017 e acenderam um alerta nos órgãos saúde.

A baixa cobertura vacinal, 85% na primeira dose e apenas 67% na segunda, em mádias mundiais, é a principal causa deste “surto mundial”. O recomendado pela OMC (Organização Mundial de Saúde) é que 95% das pessoas alvos sejam vacinadas.

Em Valparaíso a imunização contra o sarampo atingiu 97,70% do público esperado entre 6 meses e 5 anos, já entre as crianças de 5 a 10 anos a vacinada chegou à 94,83% e no meio dos jovens com 10 a 15 anos a meta foi 100% atingida.

A vacina é a única maneira eficaz de proteção da pessoa contra o Sarampo. Também é a única maneira de proteger terceiros que não podem ser imunizados, a exemplo de pessoas portadoras do HIV, ou com câncer que estão imunodeprimidas por essas doenças ou pelo seu tratamento.

Segundo a Coordenadora do Núcleo de Imunização em Valparaíso, Marluce Barros “as crianças e os adolescentes já têm um calendário vacinal que independe de campanha e tanto eles quanto os adultos que não tiverem tomado a vacina, ou tenham dúvidas quanto a isso, podem e devem tomar a vacina, A dose de reforço não faz mal e todos os postos de saúde de Valparaíso estão abastecidos”.

Veja quais são os sintomas, como se contrai e os riscos do Sarampo:

· Os Sintomas:

1) Febre acima dos 38º;

2) Dor de Garganta e Tosse seca;

3) Dor muscular e cansaço excessivo;

4) Manchas vermelhas na pele, sem relevo que se espalham pelo corpo;

5) Manchas vermelhas na pele que não coçam;

6) Pontinhos Brancos no interior da bochecha;

7) Vermelhidão nos olhos.

· Como se pega o Sarampo:

O vírus do Sarampo é facilmente transmissível, semelhante ao da gripe. Ele é expelido pelas vias horais de uma pessoa contaminada, através da tosse, espirro ou até um beijo e também pelas mãos.

· Os riscos da doença:

O Sarampo não tem um tratamento específico, a não ser o combate aos sintomas apresentados, por exemplo, o controle da febre. Por isso as pessoas devem procurar um médico e não se alto-medicar. Em casos raros a doença pode até levar o paciente à morte e maior risco é o contágio de terceiros ou iminodeprimidos.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3