• Carlos Guglielmeli / Imagens: Reprodução

Às vésperas de completar um ano e meio, o desaparecimento da jovem Thayna permanece sem solução


Às vésperas de completar um ano e meio, o desaparecimento da jovem Thayna, ocorrido em Valparaíso de Goiás, permanece sem solução

A jovem Thayna Ferreira de 21 anos desapareceu no dia 19 de fevereiro de 2017, após uma carona que teria pego com o padrasto, Sr. Waldezar Correiro de Matos, que alega tê-la deixado em uma parada de ônibus na BR 040.

A partir dessa data não é incomum cruzar com a Sra. Jussara, mãe da garota desaparecida, pregando cartazes com fotos da filha em locais públicos, pedindo ajuda às pessoas e à imprensa e até mesmo buscando vestígios de corpo humano em terrenos apontados pela polícia como possíveis locais de “desova”.

Três meses após o desaparecimento de Thayna, a Polícia Civil do Estado de Goiás chegou a prender temporariamente o Sr. Waldezar sob a suspeita de ter assassinado a enteada.

Três meses após o desaparecimento de Thayna, a Polícia Civil do Estado de Goiás chegou a prender temporariamente o Sr. Waldezar sob a suspeita de ter assassinado a enteada. Em uma entrevista ao Jornal Anhanguera, o delegado Rafael Abrão chegou a dizer que já aviam elementos concretos suficientes para determinar a autoria do crime.

Segundo Rafael Abrão, as investigações já tinham levantado “provas técnicas suficientes para apontar a autoria e incrimina-lo” e completou: “Mapeamos o trajeto feito pelo padrasto, o laudo técnico aponta presença de sangue humano na roupa que ele usou no dia do crime, no carro que ele usou no dia do crime e num facão que pertencia a ele, que também acusou sangue humano”.

Mesmo com todos esses elementos o Sr. Waldezar foi solto ao final dos cinco dias previstos na prisão temporária sem que as tais provas fossem efetivamente desqualificadas.

Angustiada pelo conflito interno da esperança em encontrar a filha viva contra a razão que diz que sua a garota provavelmente não esteva mais viva, a Sra. Jussara continua atrás respostas, recentemente apareceu colando cartazes no portão do Fórum de Valparaíso, segundo ela “buscando esclarecimentos e informações sobre o andamento das investigações, pois o criminoso está solto, pondo em risco outras jovens”.

Conforme a mãe de Thayna, um silêncio tomou conta dos responsáveis pelas investigações e do judiciário, isso a leva temer que o desaparecimento de sua filha caia no esquecimento, por essa razão ela recentemente fez um apelo à esses órgãos e pediu publicamente que à imprensa, os amigos e todos reavivassem o caso.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3