• Carlos Guglielmeli / Imagem: reprodução

Sob protestos de lideranças e filiados, PP fecha com MDB e vai apoiar Daniel Vilela


O PP (Partido Progressista) realizou na manhã deste domingo (5) sua convenção estadual para definir qual caminho a legenda seguiria na disputa eleitoral deste ano.

Houve um grande tumulto, e a decisão ficou para o final do dia, longe dos holofotes e da legitimidade dos filiados.

A discórdia aconteceu porque o presidente estadual do partido, ministro Alexandre Baldy queria encaminhar o PP para uma coligação com o MDB de Daniel Vilela, enquanto a maioria dos filiados e lideranças, como o deputado Roberto Balestra, preferiam permanecer na base aliada do governador, onde a muito tempo são.

Sem consenso durante o evento da manhã, a decisão saiu somente no início da noite, após uma reunião reservada ao presidente estadual e poucos partidários.

Interlocutores do ministro Baldy dizem que ele tomou essa decisão devido à falta de espaço na chama majoritária do Governador José Eliton, o que o MDB de Daniel Vilela lhe garantiu reservando a vaga de vice para o deputado federal Heuler Cruvinel e uma vaga ao senado para Vanderlan Cardoso, ex-prefeito de Senador Canedo.

Alguns críticos da decisão alegam que Baldy rifou o partido, colocando em risco a manutenção da bancada pepista no congresso nacional.

À redação do Jornal Opção do Entorno a vice prefeita Dra. Zeli Fritsche, que é do PP, comentou ao voltar da convenção: “a poucos dias atrás o ministro reuniu os filiados com mandato e nos perguntou o que achávamos e a opinião foi unânime em permanecer na base, junto com José Eliton”.

Em Valparaíso essa decisão do PP ficou boa para o recém-filiado Afrânio Pimentel, pois ele foi confirmado como candidato à deputado estadual e vai poder permanecer na posição que adotou na eleição passada, quando concorreu contra e foi derrotado pelo atual prefeito Pábio Mossoró do mesmo PSDB de José Eliton.


Publicidade

1/2
Mortos X Curados.png
Precisa explicar?
Curta nossa Fampage.png