• Carlos Guglielmeli / Imagem: reprodução

Desembargador manda soltar Marconi alegando que toda suspeita deve ser apurada, mas sem culpa formad


O desembargador Olindo Menezes da 4ª Turma do TRF-1 (Tribunal Regional da 1ª Turma) em Brasília, concedeu por liminar de soltura em favor do ex-governador de Goiás Marconi Perillo, que havia sido preso ontem, quarta-feira (10).

Para a defesa de Marconi, sua prisão era “arbitrária e infundada, de certa maneira afrontava outras decisões de liberdade que já foram concedidas nesta mesma operação”, a Cash Delivery.

Em seu despacho o desembargador alegou que “todas as suspeitas da autoridade policial e do magistrado devem ser apuradas, mas isso não equivale a que os investigados sejam presos de logo, sem culpa formada” e completa “a prisão preventiva, como modalidade de prisão cautelar penal, é regida pelo princípio da necessidade, pois viola o estado de liberdade de uma pessoa que ainda não foi julgada e que tem a seu favor a presunção constitucional da inocência”.

No fim do seu despacho, Olindo Menezes explica que sua decisão não implica que o preso ”seja inocente, mas não há pelos fundamentos da decisão a demonstração da necessidade de sua prisão cautelar”.

A Operação Cash Delivery investiga o suposto recebimento de R$ 12 Milhões em propinas pagas por empreiteiras ao político durante as eleições de 2010 e 2014.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3