• Carlos Guglielmeli / Imagem: reprodução

Primeiro desenho ministerial de Bolsonaro indica um corte de quase 50% dos ministérios


A futura composição ministerial do governo Jair Bolsonaro (PSL) já está quase totalmente definida.

Até agora, segundo interlocutores do presidente eleito, já estão garantidas 15 pastas, o que significa uma redução de quase 50% dos atuais 29 ministérios do governo Michel Temer (MDB).

Conforme informações de aliados de Bolsonaro, esse número ainda pode chegar à 17, mas mesmo que ganhe mais estas duas pastas em relação ao que está definido até o momento, já é uma redução drástica, principalmente se comparada com a estrutura da ex-presidente Dilma que chegou a ter 39 ministérios.

O "superministério" de Infraestrutura, englobando Transporte e Minas e Energia, foi descartado nesta quarta-feira (31), pelo vice-presidente eleito General Hamilton Mourão . Segundo ele, “Minas e Energia seguirá como uma pasta autônoma”.

Seguem como ministérios independentes Defesa, Saúde, Trabalho, Relações Exteriores e o Gabinete de Segurança Institucional.

Confira como devem ser os ministérios do governo Bolsonaro:

1) Casa Civil – assumindo funções do Governo

2) Economia – fusão de Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior

3) Defesa

4) Saúde

5) Ciência e Tecnologia (com ensino superior)

6) Educação, Esportes e Cultura

7) Trabalho

8) Minas e Energia

9) Justiça e Segurança

10) Integração Nacional (com Cidades e Turismo)

11) Infraestrutura, englobando Transportes

12) Gabinete de Segurança Institucional

13) Desenvolvimento Social (com Direitos Humanos)

14) Relações Exteriores

15) Agricultura e Meio Ambiente

Fonte de pesquisa: O Globo


Publicidade
Matéria_do_Brasil_dividido_em_3.png
Precisa explicar?