• Carlos Guglielmeli

Bolsonaro volta contestar dados sobre desmatamento na Amazônia e admite que notícia é ruim para o Br


Em uma coletiva à imprensa, realizada nesta quinta-feira (1), onde também estavam os ministros de relações exteriores, Ernesto Araújo, do gabinete de segurança institucional, Augusto Heleno e do meio ambiente, Ricardo Salles, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a contestar os dados divulgados pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), e criticar a divulgação das informações sobre o desmatamento na Floresta Amazônica.

O INPE é um órgão vinculado ao Ministério de Ciências e Tecnologia, responsável por exemplo, pelo monitoramento da Floresta, que recentemente divulgou um aumento no seu desmatamento de 88%, comparando o mês de junho deste ano, com o mesmo período em 2018.

A notícia não pegou bem internacionalmente e pode azedar acordos comerciais com países ou blocos que endurecem e podem evitar negociações com países “displicentes” nas questões ambientais.

"Não quero afirmar, mas uma notícia como essa [sobre o crescimento do desmatamento na Amazônia], que não condiz com a verdade, tem um estrago muito grande na imagem do Brasil, parece que tem gente interessada nisso, que não é a imprensa, porque o dado saiu lá de dentro [do Inpe], dos órgãos nossos" acusou Bolsonaro.

Mais adiante o presidente chegou a admitir que tem uma imagem ruim no exterior e que essas informações contribuem para isso: “A fama do Brasil e a minha é péssima lá fora, tendo em vista os rótulos que foram colocados”, disse ele.

O ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, apresentou à imprensa supostas falhas no Deter, sistema de monitoramento por meio de amostras de imagens, utilizado pelo INPE, que teriam contabilizado dados de meses anteriores em junho, o que comprometeria o resultado. Salles também alega que podem ter havido sobreposição de áreas desmatadas, mas não apresentou qual teria sido o real porcentual de aumento no desmatamento correto.

Sales informou que o governo pretende, via Ibama, lançar uma licitação para contratar um outro sistema de monitoramento com imagens de alta resolução para detalhar áreas desmatadas.

A esse respeito, o Observatório Clima Tempo, entidade composta por ONGs que trabalham no combate às mudanças climáticas do planeta, fez um comunicado em que afirma manter os sistemas Deter e Prodes, responsáveis por resultados semelhantes aos do Inep, disponibilizados diariamente na plataforma TerraBrasilis”.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3