• Carlos Guglielmeli

Após um mês negando o problema, Bolsonaro toma atitude contra o desmatamento e as queimadas na Amazô


Após um mês negando o problema, Bolsonaro toma atitude contra o desmatamento e as queimadas na Amazônia

Após dizer que os dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), uma entidade respeitada mundialmente, eram mentirosos, de negar o aumento expressivo no desmatamento da Amazônia desde o início deste ano, desdenhar das doações milionárias feitas pela Noruega e Alemanha para preservação da floresta, entre outras, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) iniciou uma ação contra o problema que ele negava existir.

Neste domingo (25) as forças armadas brasileira foram enviadas à Região Norte com a missão de ajudar no combate às queimadas e ao desmatamento, que aumentaram este ano em relação aos anos anteriores.

Dois aviões Hércules C-130, que que já começaram a despejar milhares de litros de água sobre as chamas, chegou em Porto Velho, capital de Rondônia, em meio a uma densa fumaça provocada pelos incêndios.

Cerca de 43 mil soldados estão disponíveis para os nove estados que compõem a Amazônia Legal, dos quais sete já pediram a ajuda federal.

A reação do presidente Bolsonaro veio depois do endurecimento de Emmanuel Macron, presidente da França, que chegou a usar uma diplomacia semelhante a do brasileiro, chamando-o de mentiroso e ameaçando-o de retirar o apoio francês ao acordo de Livre Comércio entre União Europeia e Mercosul.

Na mesma linha, a Finlândia, que atualmente exerce a presidência rotativa da União Europeia, sugeriu o cancelamento da importação de carne bovina Brasileira para os países integrantes do Bloco Econômico, uma possibilidade desastrosa para a economia nacional.

Os incêndios e as reações do presidente Jair Bolsonaro tomaram conta das redes sociais e dos noticiários mundo afora, provocando reações indignadas de autoridades de diversos países e manifestações espalhadas por todo o planeta.

A crise ambiental na Amazônia acabou virando tema da reunião do G7, clube composto pelas sete maiores economias mundiais, que discutiram o assunto sem a presença de representantes do países amazônicos, deixando Bolsonaro indignado, acusando a iniciativa de “mentalidade colonialista”.

Por sua vez o presidente boliviano, Evo Morales, declarou no domingo que “qualquer ajuda é bem-vinda” para conter os incêndios que estão destruindo a floresta na região da Chiquitanía, na fronteira com o Brasil.

Os líderes do G7 concordaram em ajudar os países afetados pelas chamas “o mais rápido possível”, disse o presidente francês, Emmanuel Macron.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3