• Carlos Guglielmeli

Governo Bolsonaro se distancia do combate à corrupção e já busca soluções para a perda de apoio popu


Governo Bolsonaro se distancia do combate à corrupção e já busca soluções para a perda de apoio popular

Diante da debandada de bolsonaristas descontentes com a movimentação do governo contra o combate à corrupção, alguns influenciadores aliados do presidente estão propondo um cadastro da militância para tentar minimizar os danos por meio da mobilização quase que profissional.

O responsável pelo site Terça Livre, Allan Santos, divulgou na manhã desta segunda-feira (16) um formulário para esse cadastro, em resposta a convocação feita pelo teólogo político Olavo de Carvalho, na noite anterior.

A coisa mais urgente no Brasil é uma militância Bolsonarista organizada. Notem bem, não disse militância conservadora, nem militância liberal. A política não é uma luta de ideias, é uma luta de pessoas e grupos”, disse Olavo que completou, “tem que parar com essas concepções ideológicas gerais que não levam a parte alguma”.

Na contramão, a deputada Janaina Pascoal, também do PSL, criticou o chamado do guru dos Bolsonaros que dispensou questões morais, “Olavo de Carvalho acabou ontem”, escreveu ela no Twitter acusando-o de estar criando “O Imbecil Coletivo Bolsonarista” em alusão ao livro “O Imbecil Coletivo” escrito por Olavo em 1996.

"O filósofo que se consagrou por denunciar o Imbecil Coletivo do PT, quase criou um Imbecil Coletivo em torno de si mesmo e agora, pasmem, prega um Imbecil Coletivo Bolsonarista. Não vou criticar, quero apenas externar o meu profundo pesar", twittou Janaína.

Para que se tenha uma ideia da gravidade do momento, no final da semana anterior a senadora Selma Arruda disse em entrevista que vai deixar o partido do presidente, o PSL, para se filiar ao Podemos, acusando Flávio Bolsonaro de tê-la pressionado a retirar sua assinatura do pedido de instalação da CPI da Lava Toga, cujo o objetivo é investigar desvios no judiciários.

Os lavajatistas apontam a existência de um acordo entre os Bolsonaros e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, um dos principais alvos dos defensores da CPI.

Já na segunda-feira (16) a tensão aumentou ainda mais com a declaração do líder peesselista no Senado, o Senador Major Olímpio, que disse à Coluna do Estadão que é Flávio Bolsonaro quem deveria sair do partido.

Setores e personalidades importantes não políticas que apoiaram a eleição de Jair Bolsonaro também estão se afastando do governo por enxergar essas tentativas de interferir em órgãos de combate à corrupção como Receita Federal, Ministério Público, e Polícia Federal.

O MBL (Movimento Brasil Livre), o Vem Pra Rua, o cantor Lobão e o humorista Marcelo Madureira, entre outros, atribuem a interferência de Bolsonaro nestes órgãos de controle a uma tentativa de barrar as investigações contra Flávio e seus assessor Fabrício Queiroz.

Até o momento, o presidente Jair Bolsonaro vem se mantendo calado sobre essas situações.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3