• Carlos Guglielmeli

Como devem votar os ministros do STF sobre prisão após 2ª instância


Como devem votar os ministros do STF sobre prisão após 2ª instância

O STF (Supremo Tribunal Federal) deve finalizar nesta semana o julgamentos das ADCs (Ação Direta de Constitucionalidade) que questionam o entendimento atual da corte, que permite o início do cumprimento de pena a partir a condenação em 2ª instância.

Essa decisão implica diretamente no resultado da Operação Lava Jato e se o entendimento for alterado, políticos como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro José Dirceu podem ser beneficiados.

Declaradamente, a favor do cumprimento das penas a partir da condenação em 2ª, instância já estão os ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Carmen Lúcia, Alexandre de Moraes e Luiz Fux. Ambos apegados principalmente no fato de que é até esse estágio do processo que se julga as provas e a culpabilidade do réu. A partir daí o que os acusados podem questionar são somente os ritos processuais.

Contra a manutenção da prisão a partir da 2ª instância estão os ministros Celso de Mello, Marco Aurélio de Mello e Ricardo Lewandowski. Esses já declararam suas tendências em diversas entrevistas e declarações.

O presidente da Suprema Corte, Dias Toffoli, e o ministro Gilmar Mendes também se manifestam contra o cumprimento após o julgamento em 2ª instância, porém demonstram a intenção de apresentar um novo entendimento, em que as penas poderiam começar a ser aplicadas a partir de julgamentos na 3ª instância, que ocorre no STJ (Supremo Tribunal de Justiça).

Empatado em 5 X 5, o voto de minerva sobre o tema deve ficar por conta da ministra Rosa Weber, que no passado votou a favor do atual entendimento, mas vinha mudando sua ideia a respeito do assunto.

Em um dos julgamentos dos Habeas Corpus de Lula, Rosa Weber votou contra o pedido da defesa do ex-presidente “apenas” porque precisava seguir o entendimento em vigor, para assim manter a estabilidade jurídica.

Esse “apenas” demonstra que ela, naquele momento, tinha repensado seu voto e estava contra o entendimento.

A decisão deve ocupar a agenda do STF nesta semana e pode ser finalizada no fim da semana.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

1/3