• Carlos Guglielmeli

Risco país cai ao menor nível desde 2013


Risco país cai ao menor nível desde 2013

Foto: FinanceOne

Medido pelo Credit Default Swap (CDS), um título que classifica e protege investidores contra calotes de dívidas soberanas, o risco Brasil registrou nova queda e está em 117,15 pontos.

Esse é o menor nível registrado desde maio de 10 de maio de 2013, quando o valor registrado foi de 111,179, e só não é um indicador definitivo de recuperação da economia nacional porque outros ativos brasileiros, principalmente o valor do dólar e a Bolsa, não estão acompanhando o movimento de melhora de percepção dos investidores sobre o País.

Gestores e economistas ouvidos pelo Estadão avaliam que este resultado mostra que os investidores estão projetando pela frente um cenário doméstico melhor, mas no momento, ainda permanecem cautelosos e não devem investir em ativos locais sem que haja avanço nas outras reformas e um maior crescimento econômico.

Normalmente o Ibovespa, o dólar e o CDS fazem movimentos correlatos, sendo que risco país e câmbio costumam caminhar na mesma direção, mas desde o segundo semestre de 2018 as linhas de ambos passaram a divergir no Brasil.

Colunas de economia já divulgaram previsões de que, com o CDS na casa dos 120 pontos, como agora, o dólar deveria estar em torno de R$ 3,60. Mas a moeda está em R$ 4,10 e a especialista é a que não deve cair para abaixo de R$ 4 tão cedo.

Para o mercado de ações, a avaliação é que, com esse nível de CDS, o Ibovespa deveria estar acima da atual pontuação, que tem estado entre 103 mil e 104 mil pontos nos últimos sete pregões.

Em avaliação pública, o Bradesco calcula que o Brasil perdeu cerca de US$ 50 bilhões só nos últimos meses de recursos externos.

Segundo os economistas do banco, três fatores têm contribuído para este resultado, a redução do diferencial de juros entre o Brasil e os Estados Unidos, que pode diminuir ainda mais esta semana, deixando o país menos atrativo para os estrangeiros, a troca de dívidas externas por dívidas em Real, por parte das empresas que captam recursos no mercado brasileiro em melhores condições e a falta do “grau de investimento” que impede determinados investidores de aportar dinheiro no país.

Para o economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa, o que falta para o estrangeiro entrar no país é crescimento econômico. "O Brasil não tem PIB para mostrar ao investidor estrangeiro", afirma.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

1/3