• Carlos Guglielmeli

Polícia Federal pede a prisão de Dilma e Guido Mantega, mas Fachin nega


Foto: Nexo Jornal

A Polícia Federal pediu ao ministro Edson Fachin do STF (Supremo Tribunal Federal), relator da operação Lava Jato, a prisão temporária da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e do ex-ministro da fazenda Guido Mantega, no âmbito da operação que apura a suposta compra e venda de apoio político do MDB à reeleição de da petista em 2014.

O ministro negou o pedido da Polícia, que além dos dois também pretendia deter os ex-senadores Eunício Oliveira (MDB-CE) e Valdir Raupp (MDB-RO) e o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), Vital do Rego Filho.

As medidas Segundo o delator do caso J&F, o executivo Ricardo Saud, houve pagamento de R$ 46 milhões à senadores do MDB a pedido do PT (Partido dos Trabalhadores) por meio de doações de campanha, muitas delas oficiais, porém provenientes de vantagens indevidas previamente combinadas.

Outro delator, o ex-presidente da Transpetro Sérgio machado, denunciou que mais R$ 40 milhões da J&F foram distribuídos à senadores conforme as instruções de Guido Mantega, coordenador de campanha à reeleição de Dilma Rousseff em 2014.

“Nesse sentido, possível se fazer referência à manifestação da Procuradoria-Geral da República, pontuando que 'não há evidências de que, em liberdade, os investigados possam atrapalhar a execução das medida de busca e apreensão'. Com essas considerações, indefiro as prisões temporárias requeridas”, justificou Fachin.

Outras medidas foram autorizadas pelo ministro da Suprema Corte. A polícia cumpriu uma série de mandados de busca e apreensão, além de sequestros de bens e convocações para oitivas.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3