• Carlos Guglielmeli

Com um placar de 6 a 5, STF derruba prisão após segunda instância


Com um placar de 6 a 5, STF derruba prisão após segunda instância

O STF (Supremo Tribunal Federal) derrubou nesta quinta-feira (07) o seu próprio entendimento anterior que possibilitava o início da execução de penas de prisão após condenação em 2ᵃ instância.

Com o placar empatado em 5 X 5, o “voto de minerva” foi justamente o último, proferido pelo presidente da Suprema Corte, ministro Dias Toffoli.

Essa decisão é considerada a maior derrota imposta à operação Lava Jato nos seus 5 anos de existência, e provavelmente deve levar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros 4.895 detentos, segundo dados extraídos do Banco Nacional de prisões, à liberdade.

A análise do caso monopolizou cinco sessões para ser concluída e foi envolvida em grande pressão popular, mas conforme a previsão já apresentadas pelo Jornal Opção do Entorno, os ministros votaram da seguinte forma:

A favor da prisão a partir da condenação em 2ª instância:

  1. Edson Fachin

  2. Alexandre de Moraes

  3. Luís Roberto Barroso

  4. Cármen Lúcia

  5. Luiz Fux

Contra a prisão a partir da condenação em 2ª instância:

  1. Celso de Mello

  2. Marco Aurélio de Mello

  3. Rosa Weber

  4. Ricardo Lewandowski

  5. Gilmar Mendes

  6. Dias Toffoli

Em entrevista após o julgamento Toffoli disse aos repórteres que agora cabe ao congresso aprovar uma mudança na constituição, porém, até lá, o entendimento geral até lá é que a prisão só é obrigatória após o trânsito em julgado.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3