• Carlos Guglielmeli

Bolsonaro vira piada e é criticado internacionalmente pelas acusações sem provas feitas contra o ato


Bolsonaro vira piada e é criticado internacionalmente pelas acusações sem provas feitas contra o ator Leonardo DiCrpaio

Após acusar o ator americano e Ambientalista, Leonardo DiCaprio, e a ONG WWF de estarem financiando queimadas criminosas no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro vira manchete na imprensa internacional, alvo de críticas e piadas nas redes sociais.

O pessoal da ONG, o que eles fizeram? O que é mais fácil? Botar fogo no mato. Tira foto, filma, a ONG faz campanha contra o Brasil, entra em contato com o Leonardo DiCaprio, e então o Leonardo DiCaprio doa US$ 500 mil para essa ONG. Uma parte foi para o pessoal que estava tocando fogo, tá certo? Leonardo DiCaprio tá colaborando aí com a queimada na Amazônia, assim não dá”, disse Bolsonaro em uma Live.

Neste sábado DiCaprio rebateu o presidente de maneira diplomática, “o futuro desses ecossistemas insubstituíveis está em jogo e tenho orgulho de fazer parte dos grupos que os protegem, mas embora certamente mereçam apoio, não financio as organizações que estão atualmente sob ataque”, disse o ator.

Com um histórico de acusações que posteriormente foram desmentidas, a fala de Bolsonaro foi logo tratada como “falsa” internacionalmente.

Em uma publicação com o título “Brazil’s presidente claims DiCaprio paid for Amazon fires” (Presidente do Brasil afirma que DiCaprio pagou pelo incêndios na Amazônia) o jornal britânico The Guardian chama as declarações do presidente literalmente de falsas:

Jair Bolsonaro falsely accuses actor of funding deliberate destruction off rainforest” (Jair Bolsonaro acusa falsamente o ator de financiar a destruição deliberada na floresta tropical), contem o texto do The Guardian que foi publicado com termos semelhantes também pelo americano The New York Times”.

O francês Le Figaro também pautou a notícia criticando a falta de provas nas declarações do presidente Brasileiro, porém de maneira irônica, destacando a foto de Leonardo DiCaro com um lança-chamas no filme “Era uma vez em... Hollywood”.

Não contente com repercussão já existente, Bolsonaro insistiu na acusação, “Quando eu falei que há suspeitas de ONGs, o que a imprensa fez comigo? Agora, o Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia” disse.

Entenda o Caso:

Na terça-feira (26) quatro voluntários da Brigada de Alter, uma ONG dedicada à proteção da floresta e das comunidades de Alter do Chão, foram presos pela Polícia Civil do Pará no âmbito da Operação Fogo de Sairé, acusados de provocar incêndios criminosos na Floresta, segundo o delegado Fábio Amaral Barbosa, no intuito de aumentar a arrecadação de doações da entidade e para vender fotos exclusivas desses incidentes à entidade mundial WWF.

As duas entidades negaram as acusações e a WWF em comunicado chegou a desafiar à Polícia Civil a apresentar provas da parte em que é mencionada.

Sobre provas contra Daniel Gutierrez Govino, Gustavo de Almeida Fernandes, João Victor Pereira Romano e Marcelo Aron Cwerner a Polícia só deu conhecimento de fotos em que os quatro aparecem sozinhos diante de um foco de incêndio e interceptações telefônicas onde os acusados mencionam a previsão de um aumento no número de ocorrências naquele mês.

Sobre as fotos dos quatro acusados, sozinhos próximos aos primeiros focos do grande incêndio que atingiu a região em setembro recente, a arquiteta Bruna Bichara, integrante da bridada de voluntários, disse à BBC News Brasil que o grupo não sai para fazer detecções ou combates sem a autorização do Corpo de Bombeiros e que no dia 14 daquele mês, quando avistaram a primeira fumaça da queimada, três dos presos foram de moto na direção da ocorrência e o restante foi até a delegacia de polícia informar o caso e até pegaram carona com os próprios policiais até o local onde os colegas os esperavam.

Com relação às interceptações telefônicas, Bruna disse que os rapazes estavam apenas comentando de trabalho, prevendo o que era natural para o período.

Na quinta-feira (28) os Brigadistas voluntários foram soltos após da determinação do juiz Alexandre Rizzi que não enxergou motivos razoáveis para a prisão, o que provocou a queda do delegado Fábio Amaral, justificada pelo governador Helder Barbalho com a seguinte frase:

[A mudança] não interfere em investigações da Polícia Civil do Estado, que é autônoma e não tem o poder de realizar prisões sem autorização judicial


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3