• Carlos Guglielmeli

Mesmo com o protesto de Lêda Borges e outros, base Caiadista na Alego aprova privatizações em 1ª vot


Mesmo com o protesto de Lêda Borges e outros, base Caiadista na Alego aprova privatizações em 1ª votação

Foi aprovada em 1ª votação nesta terça-feira (17) o PL (Projeto de Lei) enviado pela governadoria do estado à Alego (Assembleia Legislativa de Goiá) que autoriza a privatização de algumas estatais goianas.

A poucos dias de completar um ano ou 25% do seu mandato, o governo Ronaldo Caiado ainda persegue a adesão ao RRF (Regime de Recuperação Fiscal) da União, como única alternativa para sanar o déficit orçamentário estadual, e as privatizações das estatais então entre as exigências do Tesouro Nacional para o enquadramento goiano no programa.

Entre as empresas autorizadas a serem privatizadas, estão a Celg Geração e Transmissão (Gelg GT), a Agência Goiana de Gás (GoiásGás), Goiás Telecomunicações (Goiás Telecom), a Indústria Química do Estado de Goiás (Iquego) e a Metrobus.

Para a deputada Lêda Borges (PSDB) o projeto do governo é irresponsável e incoerente, pois no caso, por exemplo, do Iquego, a estatal é responsável por produzir medicamentos adquiridos pelas prefeituras para atender reposições emergenciais ou manutenção de estoques de maneira, desburocratizada, rápida, e barata.

Não souberam trabalhar a Iquego. Ela produz medicamentos a custo baixo onde as prefeituras podem adquirir medicamentos para a rede de saúde, sem precisar de licitação e por preços baixíssimos”, afirmou a deputada, que reforçou, “Está faltando gestão”.

Sobre a incoerência do projeto, Lêda Borges lembrou que simultânea à intenção de privatizar a Celg GT, o governo Caiado tenta estatizar a parte da empresa, vendida para a Enel Distribuição, “O Governo quer encampar a Enel e privatizar a Celg GT? Eu não entendo”, questionou a parlamentar.

Outra privatização questionada por diversos setores da sociedade é a de transportes público de passageiros Metrobus, considerada uma reguladora do segmento na região metropolitana da capital Goiânia, “Não sou contra as privatizações, mas saneamento básico, a energia e outros serviços, como transporte, por exemplo, não podemos privatizar”, alertou Lêda Borges.

Com as privatizações, além de atender os requisitos para adesão ao RRF, o governo Caiado pretende arrecadar R$ 1,5 bilhão e evitar R$ 100 milhões de repasses anuais para as estatais.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3