• Carlos Guglielmeli

Irã reivindica "direito à legítima defesa" na ONU


Foto: Opera Mundi / UOL

O embaixador do Irã na ONU (Organização das Nações Unidas), Majid Takht Ravanchi declarou ao Conselho de Segurança da entidade que seu país se reserva ao “direito de legítima defesa” após o ataque dos Estados Unidos que matou o general iraniano, Qassim Suleimani, chefe da Unidade Especial da Guarda Revolucionária.

Majid chamou o ataque americano de "ato de guerra”:

Por qualquer medida, é um óbvio exemplo de terrorismo de Estado e, como um ato criminoso, constitui uma violação grosseira dos princípios fundamentais do direito internacional. O equivalente a começar uma guerra”, declarou o iraniano.

No comunicado Majid Takht Ravanchi também mencionou a medida do revide iraniano, pretendido contra o ato norte-americano, "a resposta para uma ação militar é uma ação militar", disse ele.

Os Estados Unidos justifica o ataque que matou o líder militar do Irã com o artigo 51 da Carta das Nações Unidas, que cobre um direito individual ou coletivo de defesa contra ataques armados. Em 2014 os Estados Unidos usaram o mesmo recurso para atacar o Estado Islâmico na Síria.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3