• Carlos Guglielmeli

Advogada de Flávio Bolsonaro admite que diretor da Abin orientou defesa do senador


Foto: Reprodução

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, determinou que a Procuradoria Geral da República investigue as acusações de que o diretor-presidente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, orientou a defesa do senador Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas.


Luciana Pires, advogada do parlamentar, admitiu, em entrevista à revista Época publicada nesta sexta-feira (18), ter recebido um "relatório informal" de Ramagem dando coordenadas de como agir para tentar inocentar o filho do presidente no caso.


Em dois documentos enviados pela Agência à advogada, há detalhes do funcionamento do que classificaram como organização criminosa na Receita Federal que, segundo a defesa do senador, teria feito uma devassa nos dados fiscais do filho do presidente. Um deles, a finalidade descrita é 'Defender FB no caso Alerj'.


Cármen Lúcia determinou na sua decisão que a PGR seja notificada "para investigar os fatos descritos, os quais, pelo menos em tese, podem configurar atos penal e administrativamente relevantes (prevaricação, advocacia administrativa, violação de sigilo funcional, crime de responsabilidade e improbidade administrativa)".


Entre as sugestões listadas pela agência à defesa do senador estão a demissão de servidores do Fisco e da Controladoria-Geral da União (CGU), órgão responsável pela fiscalização da administração pública.


O filho do presidente é investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro sob suspeita de comandar um esquema que desviava salários de funcionários do seu gabinete no período em que era deputado estadual - a chamada "rachadinha". Flávio nega irregularidades.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

1/3