• Carlos Guglielmeli

Advogada de Flávio Bolsonaro admite que diretor da Abin orientou defesa do senador


Foto: Reprodução

A ministra do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, determinou que a Procuradoria Geral da República investigue as acusações de que o diretor-presidente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, orientou a defesa do senador Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas.


Luciana Pires, advogada do parlamentar, admitiu, em entrevista à revista Época publicada nesta sexta-feira (18), ter recebido um "relatório informal" de Ramagem dando coordenadas de como agir para tentar inocentar o filho do presidente no caso.


Em dois documentos enviados pela Agência à advogada, há detalhes do funcionamento do que classificaram como organização criminosa na Receita Federal que, segundo a defesa do senador, teria feito uma devassa nos dados fiscais do filho do presidente. Um deles, a finalidade descrita é 'Defender FB no caso Alerj'.


Cármen Lúcia determinou na sua decisão que a PGR seja notificada "para investigar os fatos descritos, os quais, pelo menos em tese, podem configurar atos penal e administrativamente relevantes (prevaricação, advocacia administrativa, violação de sigilo funcional, crime de responsabilidade e improbidade administrativa)".


Entre as sugestões listadas pela agência à defesa do senador estão a demissão de servidores do Fisco e da Controladoria-Geral da União (CGU), órgão responsável pela fiscalização da administração pública.


O filho do presidente é investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro sob suspeita de comandar um esquema que desviava salários de funcionários do seu gabinete no período em que era deputado estadual - a chamada "rachadinha". Flávio nega irregularidades.


Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3