• Carlos Guglielmeli

Bolsonaro diz à simpatizantes que aguarda 'sinalização do povo' para agir

Ao sair do Palácio da Alvorada na manhã desta quarta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro disse a apoiadores que aguarda "uma sinalização do povo" para "tomar providências" a respeito das consequências econômicas causadas pela pandemia da Covid-19, entre elas o aumento da fome e da miséria.

Bolsonaro fala com apoiadores na saída do Alvorada / Foto ilustrativa de O Globo

Bolsonaro também abordou a atuação do Supremo Tribunal Federal dizendo que não quer brigar com ninguém, mas, segundo ele, "estamos na iminência de ter um problema sério no Brasil".


"O Brasil está no limite. O pessoal fala que eu devo tomar providências. Eu estou aguardando o povo dar uma sinalização. Porque a fome, a miséria e o desemprego estão aí. Não vê quem não quer", disse ele.

O presidente também afirmou que "alguns" pedem providências imediatas e reforçou que fará "o que o povo quiser" que ele faça.


"Amigos do Supremo Tribunal Federal, daqui a pouco vamos ter uma crise enorme aqui. Vi que um ministro despachou um processo pra me julgar por genocídio. Olha, quem fechou tudo e está com a política na mão não sou eu. Agora, não quero brigar com ninguém, mas estamos na iminência de ter um problema sério no Brasil", completou o presidente em tom de aviso.


Segundo Bolsonaro, ainda "há tempo de mudar" "É só parar, usar menos a caneta e mais o coração", disse.


Na terça-feira (13), a ministra do STF (Supremo tribunal Federal), Cármen Lúcia, pediu ao presidente da Corte, Luiz Fux, para que paute o julgamento da notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por suspeita de genocídio contra as populações indígenas durante a pandemia do novo coronavírus.

Já na semana passada, o ministro Luís Roberto Barroso determinou ao Senado instalar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a atuação do Governo Federal na pandemia e na terça o presidente da casa legislativa, Rodrigo Pacheco (DEM), leu o requerimento de abertura da Comissão, que também vai investigar o uso das verbas federais passadas aos entes federativos para o combate do novo coronavírus. Na tarde desta quarta, o plenário do Supremo decide se referenda ou não a decisão de Barroso.


Conteúdo baseado em publicação do Estadão

Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

1/3