• Carlos Guglielmeli

Bolsonaro perde nas redes sociais por enfrentamento à pandemia, diz estudo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou a enfrentar uma rejeição mais forte e crescente nas redes sociais por sua postura em meio à pandemia do novo coronavírus.


Dados do Twitter levantados pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV DAPP) mostram que o presidente perdeu capacidade de atrair novos seguidores desde o pronunciamento na TV em março, quando oficiou sua campanha contra o isolamento social. Esse foi também o momento em que recebeu mais comentários negativos na rede social.


Especialistas afirmam que a a perda da vantagem que presidente Bolsonaro tinha na grande rede foi acelerada pelo seu comportamento frente à crise causada pela pandemia e o antídoto para isso a radicalização de seu discurso em momentos de tensão política, o que recupera simpatizantes.


No dia 24 de março, quando o Brasil registrava oficialmente 46 mortes e 2.201 casos de contaminações pelo Covid-19, o presidente faz um pronunciamento à TV no qual classificou a pandemia como "histeria", esse foi o momento em que ele mais ganhou seguidores (o saldo do dia foi de 32.178) e mobilizou o maior número de menções a seu nome: 655.133 comentários. Porém, o estudo mostra que 59% desses comentários foram negativos, 40%, positivos e 1%, neutro.


O que parecia ter sido um ganho de capital político acabou se transformando no ponto de virada nas redes sociais do presidente. Desde o dia seguinte, ele passou a apresentar queda significativa em seu saldo de novos seguidores e até o dia 22 de maio não havia conseguido recuperar o mesmo patamar, chegando a apresentar saldos negativos em duas ocasiões, isto é, perdeu de fato seguidores.


Para o diretor de Análise de Políticas Públicas da FGV, Marco Aurélio Rudieg, o governo errou na avaliação sobre o impacto da pandemia, isso fez com que Bolsonaro perdesse uma parte do capital político que o centro emprestava para a direita. "A pandemia turbinou uma crise política que já estava à vista."


Nem as crises políticas causadas pela demissão de três ministros, incluindo Luiz Henrique Mandetta, da saúde, e Sérgio Moro, da justiça e segurança, e a aproximação de investigações à sua família e apoiadores tiveram a capacidade de influenciar tão negativamente a percepção dos internautas.


O fato do presidente estar perdendo em suas redes sociais quando dá declarações polêmicas sobre o coronavírus é reflexo do que a própria sociedade pensa sobre a condução da pandemia. "Pelas pesquisas já publicadas vemos que em torno de 20 a 25% das pessoas são a favor da economia, enquanto de 70 a 75% estão de acordo com as determinações científicas das autoridades de saúde. O que Bolsonaro faz é governar para a minoria", diz o cientista político Carlos Alberto Almeida.


Em meio à crise, o presidente usou frases polêmicas, da "gripezinha", em março, ao "E daí?" em 28 de abril. Questionado sobre o então recorde de mortes por coronavírus em 24 horas, quando o Brasil ultrapassou o número de óbitos na China, respondeu: "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse Bolsonaro, em referência a seu segundo nome.

Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3