• Carlos Guglielmeli

Denúncia - Pábio Mossoró distribui cargos à parentes de quem deveria fiscalizar as contas da Saúde


Foto: Portal Saída Sul

Em Valparaíso, denúncia recente revela um esquema de distribuição de cargos públicos para parentes de Conselheiros Municipais, responsáveis pela fiscalização e aprovação das movimentações financeiras da Secretaria Municipal de Saúde.


Segundo um levantamento enviado para a redação, o prefeito Pábio Mossoró (MDB) nomeou de maneira direta ou terceirizada vários parentes dos Conselhos Municipais de Saúde, que por exemplo, aprovaram três compras de insumos da Covid-19, com dispensa de licitação, denunciadas ao MP (Ministério Público) e ao TCM (Tribunal de Contas do Município) por suspeita de superfaturamento.


Na ocasião a Secretaria Municipal de Saúde comprou entre outros itens, embalagens de 440g de álcool em gel no valor de R$ 25,00, quando o mesmo produto, conforme a denúncia, era cotado por R$ 6,78, um sobrepreço de pouco mais que 268%.


Só do presidente do Conselho Municipal de Saúde, conhecido como Zé Maria, a gestão Pábio Mossoró contratou pela empresa terceirizada GSI sua filha Lana Ticyana e por meio de credenciamento o sobrinho André Oliveira dos Prazeres (Imagem 1), já o genro Francisco John Castro também foi inicialmente contratado pela GSI, sendo nomeado seis meses depois no cargo em comissão de assessor técnico em saúde, como mostra o decreto número 320 de 09 de junho de 2020 (Imagem 2)..


A GSI está sendo investigada em outro esquema de corrupção que consiste no fornecimento de mão de obra fantasma para a prefeitura, causando um prejuízo estimado pelo Ministério Público de R$ 9 milhões.


Cristhiane Salin Cabus, membro do mesmo conselho foi ela própria nomeada como enfermeira 60 horas em Valparaíso (Imagem 3), sendo 40 no Hospital Municipal e 20 na Secretaria Municipal, além de 60 horas em Novo Gama.


Procurada no Hospital Municipal de Valparaíso, na Secretária de Saúde e na Unidade do SAMU onde foi responsável técnica, como mostra a portaria número 111 de 08 de abril de 2020 (Imagem 4), o denunciante obteve a informação que Cristhiane não trabalhava há mais de 6 meses nessas unidades, porém Suas folhas de ponto estão assinadas pelo senhor Paulo César, responsável pelas cirurgias de cataratas e que não tem vínculo com a Secretaria Municipal de Saúde. Em regra esses pontos teriam que ser assinados por um Enfermeiro responsável.


Cristhiane também é mãe da Biomédica Marina Lara Cabus, credenciada no CAIS e seu filho, Hugo Cabus fez parte do quadro de credenciados na função de Enfermeiro.


Segundo a fonte do Jornal Opção do Entorno, todos os documentos comprobatórios estão sendo entregues ao MP, acompanhado de relatos cronológicos dos fatos.


(Imagem 1)


(Imagem 2)


(Imagem 3)


(Imagem 4)




Publicidade

1/2
Mortos X Curados.png
Precisa explicar?
Curta nossa Fampage.png