• Carlos Guglielmeli

"Há prova para indiciamento de membros do governo", diz presidente da Covid-19

O presidente da CPI da covid-19, senador Omar Aziz (PSD), disse que, com um mês de funcionamento, o colegiado já conseguiu reunir evidências de que o presidente Jair Bolsonaro seguia orientações de um "gabinete paralelo" ao Ministério da Saúde e agiu de forma "deliberada" para atrasar a compra dos imunizantes, apostando exclusividade na controversa "imunidade de rebanho" pela contaminação livre.


CPI da covid-19 ouve a médica Nise Yamaguchi / Foto: Leopoldo Silva - Agência Senado

Na avaliação do senador, as ações do presidente, contrárias ao isolamento social e ao uso de máscara de proteção, mostram que ele apostava na imunidade a partir do contágio e no tratamento precoce com medicamentos sem eficácia comprovada, como a cloroquina. "Essas duas coisas estão diretamente ligadas a ele. Não tem jeito. Ele (Bolsonaro) foi quem falou diretamente sobre cloroquina", destacou.


Após ouvir dez depoimentos, Aziz está convencido de que a posição de Bolsonaro tem por trás as orientações de integrantes de um "gabinete paralelo" na pandemia, formado por médicos e auxiliares do governo defensores de medicamentos sem respaldo da comunidade científica.


"Ele se reunia muito mais com o 'gabinete paralelo' do que com o ministro da Saúde", disse Aziz, que completou: "Comportamento atípico em relação a qualquer líder mundial. Nem em uma republiqueta, que não tem absolutamente nada, o líder fica sem máscara, fica falando esse tipo de coisa. Vocês lembram que o Pazuello disse que se reunia com o presidente uma vez por semana, quiçá de 15 em 15 dias? Não se reunia com o ministro, mas se reunia naquele 'gabinete paralelo' diariamente".

Publicidade
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom

press to zoom

press to zoom
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan
Institucional do Novo Gama Mar2021 Retan

press to zoom
1/3