• Carlos Guglielmeli

Segundo a PGR, parlamentares bolsonaristas podem ter usado dinheiro público em atos antidemocráticos


Foto do Estadão

Suspeitas de uso do dinheiro público no financiamento de atos antidemocráticos e pró Bolsonaro levou a PGR (Procuradoria Geral da República) pedir a operação que, na semana anterior, atingiu parlamentares bolsonaristas no inquérito das Fake News.


As medidas solicitadas pela PGR foram autorizadas pelo ministro, Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal) e as investigações avançaram sobre a origem do financiamento dos atos antidemocráticos.


O órgão apurou, até agora, que quatro deputados do PSL, Bia Kicis, Guiga Peixoto, General Girão e Aline Sleutjes, usaram dinheiro público para, supostamente, financiar a mobilização dos atos em favor do presidente Bolsonaro e contra o STF e Congresso Nacional.


Segundo as investigações, os quatro repassaram "verbas indenizatórias" da Câmara Federal à empresa de tecnologia dedicada à redes sociais chamada Inclutech, de propriedade do empresário Sérgio Lima, marqueteiro do Aliança pelo Brasil, partido que o presidente Bolsonaro está fundando.


Nas notas fiscais apresentadas pelos parlamentares para reembolso, a finalidade do recurso era a divulgação de atos parlamentares, porém as investigações apontam que os serviços desempenhados pela Inclutech foram voltados para a mobilização dos atos antidemocráticos.


Só nos meses de março e abril deste ano, Bia Kicis fez repasses de R$ 6,4 mil à empresa investigada, Guiga Peixoto R$ 6,5 mil, General Girão R$ 7,4 mil e Aline Sleutes R$ 10 mil, totalizando R$ 31,3 mil.


Ainda segundo as investigações, esses deputados repassaram R$ 60 mil no total à Inclutec, que até fevereiro era uma empresa de cosméticos e mudou de nome, virando a empresa de computadores e publicidade ganhadora dos contratos um mês após a alteração.


Em resposta ao Jornal Hoje da TV Globo, ambos os investigados mencionados afirmaram que as suspeitas não são verdadeiras, que seus atos estão dentro da Lei e que não têm envolvimento com os atos mencionados.

Publicidade

1/2
Mortos X Curados.png
Precisa explicar?
Curta nossa Fampage.png