Câmara Municipal avança na destinação da área para construção do Hospital de Urgências em Valparaíso

 

O projeto de lei 022, que trata a destinação do terreno para a construção do HUGO (Hospital de Urgências de Goiás), foi aprovado em segunda votação na sessão legislativa dessa sexta-feira, 23/06 e deve entrar na pauta para sua aprovação definitiva já na próxima semana.

 

Na primeira votação, o vereador de oposição Prof. Silvano pediu vistas ao projeto, rejeitada pelo plenário, disse que o mesmo tramita em uma velocidade “a jato”, muito mais rápido do que urgência urgentíssima.

 

Conforme o que disse o presidente da Câmara, Alceu Gomes, o assunto é de extremo interesse da sociedade, já passou e foi aprovado por todas as comissões pertinentes, portanto esse é o momento dos vereadores imprimirem a velocidade da nova legislatura, focada na produção dos efeitos desejados pela população

 

Nessa última votação quem pediu vistas ao projeto foi o vereador, também de oposição, Elvis Santos, ausente na análise anterior, alegando desconhecer detalhes técnicos do projeto.

 

Foi quando o vice-presidente da câmara, vereador Ferreira se manifestou dizendo que os detalhes estiveram disponíveis para análise de todos, inclusive com a marcação de datas anteriores para troca de informações entre os parlamentares. Ferreira completou argumentando que a votação definitiva do projeto vai acontecer somente semana que vem, portanto há tempo para que os vereadores interessados se inteirem do projeto sem o uso de vistas, que atrasaria a tramitação.

 

O presidente Alceu Gomes precisou abreviar os debates, que segundo ele já estava apresentando argumentações redundantes, e a base governista, mobilizada pelo líder do governo, vereador Zeca, negou o pedido de vistas e aprovou o projeto.

 

Em conversa com o Jornal Opção do Entorno, o vereador Ferreira justificou a celeridade estabelecida pelo presidente da Câmara, Alceu Gomes. Segundo ele “o Governador Marconi Perillo destinou R$ 40 Milhões, vindos da venda da CELG, para a construção do Hospital em Valparaíso e a cidade precisa fazer sua parte para aproveitar a oportunidade, caso contrário, vem outra cidade mais disposta e leva o recurso”

 

Ferreira completou dizendo que “as contrapartidas estão previstas na Lei 6.766 que regulamenta do uso do solo e que essa etapa não deve tratar de projeto arquitetônico do empreendimento, já que o mesmo só pode ser elaborado após a determinação do terreno”.

Compartilhar
Twittar
Please reload

Publicidade

1/5
Últimas notícias

Setor de Serviços tem alta em setembro e elimina perdas de 2...

12/11/2019

1/20
Please reload

Matéria_do_Brasil_dividido_em_3.png
Siga
  • Facebook do Jornal Opção do Entorno
  • Twitter do Jornal Opção do Entorno
  • Instagram do Jornal Opção do Entorno