Prefeito de Águas Lindas destroca o PSDB pelo PTB para ser vice de José Eliton

26/12/2017

 

O bom filho a casa torna, assim o deputado federal Jovair Arantes definiu o retorno do prefeito de Águas Lindas, Hildo do Candango, ao PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), legenda que preside no estado de Goiás.

 

Pelo PTB Hildo do Candango foi eleito deputado estadual em 2010, dois anos depois venceu a disputa para prefeito de Águas lindas de Goiás, porém em 2016 se reelegeu prefeito com 66% dos votos válidos, dessa vez pelo PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) do governador Marconi Perillo e do vice José Eliton.

 

Com esse cartel e sendo uma liderança no entorno goiano do Distrito Federal, segundo colégio eleitoral do Goiás, atrás apenas da região metropolitana de Goiânia, Hildo se credencia a preencher a vaga de candidato à vice-governador para as eleições de 2018 na chapa governista, pré-definida com Zé Eliton no topo.

 

Estando no PSDB essa composição seria impossível para Hildo, pois a vaga de vice normalmente garante um partido a mais na coligação majoritária e como a equação entre número de candidatos e vagas para o Senado ainda não foi resolvida no grupo governista, sobram candidatos de partidos aliados e faltam vagas, a vice-governadoria se tornou preciosa.

 

Dentro desse cenário, durante o encontro regional do PTB realizado Águas Lindas no dia 16 recente, o prefeito Hildo retornou ao partido com pompa e o aval do federal Jovair Arantes, se credenciando pelo capital eleitoral que tem e tecnicamente a ser vice-governador de Goiás.

 

Em Goiânia outras duas lideranças do entorno já foram cogitadas para vice da chapa tucana, o deputado federal Célio Silveira de Luziânia e a deputada estadual Leda Borges de Valparaíso, ambos mencionados como futuros integrantes do PP (Partido Progressista), porém mesmo que se coloquem a disposição do projeto de estado comandado por Marconi Perillo, a movimentação de ambos parece emitir sinais de que estão satisfeitos onde estão.

 

O entorno garantiu a vitória do grupo Marconista em todas as suas eleições com uma porcentagem acima da média estadual, consequência da qualidade dos seus aliados na região, que conseguem se manter coesos sem grandes fissuras causadas pelas disputas locais, salvo um ou outro imaturo recém-chegado. Por isso o vice-governador ou vice-governadora de Goiás deve sair mesmo da RIDE.

 

Imagem do Site Comunidade Águas Lindas

Compartilhar
Twittar
Please reload

Publicidade

1/5
Últimas notícias

Autores de assassinato por ponto de tráfico de drogas são pr...

14/11/2019

1/20
Please reload

Matéria_do_Brasil_dividido_em_3.png
Siga
  • Facebook do Jornal Opção do Entorno
  • Twitter do Jornal Opção do Entorno
  • Instagram do Jornal Opção do Entorno