Criança de 8 anos morre afogada em Valparaíso e tragédia acaba revelando outro drama da família

07/01/2018

 

A morte de uma criança de 8 anos, Paulo Dias, ocorrida nesta sexta-feira 05/01, por afogamento em um córrego conhecido como Tic Tac no bairro Santa Rita de Cássia em Valparaíso de Goiás, sozinha seria uma tragédia, se disso não viesse a tona a precariedade em que vive a família de luto.

 

O pequeno Paulo brincava com amigos no córrego, quando escorregou e caiu num poço (local de maior profundidade), “ele caiu e afundou de uma vez”, disse um dos amigos que brincava com ele.

 

Paulo e sua família viveram por um ano num abrigo do Instituto Anjos da Rua fundado pelo Policial Militar Laudimar Godoi, que usou as redes sociais para lamentar a perda desse inocente e acabou revelando mais um drama dessa família, a absoluta precariedade na qual ela vive.

 

A mãe desempregada e três crianças além do Pedro, uma de 13 anos, outra de 6 e a caçula de 3 anos vivem em uma casa feita com restos de madeira e lona, apenas com o que o pai, Sr. Jorge, consegue arrecadar com a venda de produtos de limpeza fabricados por ele mesmo.

 

Falta tudo na casa da D. Patrícia, camas, colchões, o que vestir e até o que comer. No momento dessa reportagem o sofá, as roupas e todas os cobertores da casa estavam úmidos, pois segundo o pai, “quando chove entra mais água dentro do que fora”.

 

Segundo o Sr. Jorge, todas as crianças, menos a de 3 anos, estão estudando, e seu maior desejo é ter a receita de um remédio que lhe alivie dos sintomas da asma, para que ele possa trabalhar mais e assim poder melhorar as condições de vida para elas.

 

“Era uma tragédia anunciada”, disse Godoi se referindo ao fato de que as crianças não tem alternativas para se divertir e ficam muito tempo fora das vistas dos pais, pois costumam ir a um posto de combustíveis na entrada do bairro para encher os pneus dos carros e descolar um trocado.

 

O enterro do pequeno Pedro, que está sendo custeado pela prefeitura municipal, é previsto para este domingo, 07/01, após a liberação do IML de Formosa.

 

Uma campanha de arrecadação de todos os tipos de donativos, para amenizar ao menos a tragédia social vivida por essa família, está sendo organizada e os interessados em ajudar podem entrar em contato com a redação do Jornal Opção do Entorno ou direto com o Instituto Anjos da Rua pelo telefone (61) 9-9137.5429 / 3629.6311 (Godoi) e pelas redes sociais da entidade clicando aqui.

 

 

Compartilhar
Twittar
Please reload

Publicidade

1/5
Últimas notícias

Lêda Borges cobra obras de manutenção no restaurante cidadão...

5/12/2019

1/20
Please reload

Matéria_do_Brasil_dividido_em_3.png
Siga
  • Facebook do Jornal Opção do Entorno
  • Twitter do Jornal Opção do Entorno
  • Instagram do Jornal Opção do Entorno