MP investiga Carlos Bolsonaro por supostas contratações de funcionários fantasmas. Uma nomeada já confirmou que nunca trabalhou

13/09/2019

 

O filho do presidente Jair Bolsonaro, vereador Carlos Bolsonaro (PSC), é alvo de duas investigações no Ministério Público do Rio de Janeiro que apuram supostas irregularidades em seu gabinete na Câmara Municipal da capital carioca.

 

“O Grupo de Atribuição Originária Criminal da Procuradoria-Geral de Justiça (GAOCRIM/MPRJ) e a 8ª Promotoria de Justiça de Cidadania da Capital confirmam a existência de procedimentos sobre o tema (Carlos Bolsonaro), e esclarecem que as investigações estão sob sigilo”, disse uma nota emitida pelo MPF-RJ nesta quarta-feira (11).

 

Segundo informações levantadas pela Revista Época, durante parte dos seus cinco mandatos como vereador no Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro manteve a ex esposa do presidente, Ana Cristina Valle, e alguns parentes dela nomeados em seu gabinete, sendo que eles, além de morar em cidades distantes da Câmara Municipal, nunca tiveram seus crachás de acesso ao prédio.

 

O casal Guilherme e Ananda Hudson e uma cunhada, Monique Hudson, moravam, trabalhavam e ou estudavam em Resende, a 168Km da capital do Rio de Janeiro;

 

Marta Valle morava em Juiz de Fora, Minas Gerais, distante 185Km da Câmara enquanto esteve nomeada;

 

Gilmar Marque morava ainda mais distante do suposto trabalho, à 272Km, em uma cidade mineira chamada Rio Pomba.

 

A professora Marta Valle, cunhada da ex esposa do presidente Bolsonaro, ficou lotada no gabinete de Carlos Bolsonaro por 7 anos e 4 meses recebendo um salário bruto de R$ 17 mil, mas à Revista Época disse que nunca trabalhou lá.

 

Eu nunca trabalhei em gabinete não, a minha família que trabalhou, mas eu não”, disse Marta à repórter que insistiu, “Porque tem seu nome lá”, para ouvir a confirmação “é, mas eu não, não trabalhei não”.

 

Já Gilmar Marques, ex cunhado de Ana Cristina Valle, disse à Época que não se lembrava de ter trabalhado no gabinete de Carlos Bolsonaro, mas quando foi perguntado sobre o salário de R$ 14mil, o suposto fantasma demonstrou espanto quanto ao valor, “eu ganhava isso? Isso ai você deve estar enganada”, disse ele.

 

Até o momento o vereador Carlos Bolsonaro não comentou o assunto, nem respondeu às reportagens.

Compartilhar
Twittar
Please reload

Publicidade

1/5
Últimas notícias

Setor de Serviços tem alta em setembro e elimina perdas de 2...

12/11/2019

1/20
Please reload

Matéria_do_Brasil_dividido_em_3.png
Siga
  • Facebook do Jornal Opção do Entorno
  • Twitter do Jornal Opção do Entorno
  • Instagram do Jornal Opção do Entorno